Topo
Blog da Redação

Blog da Redação

Musa do Esporte: De desastre nuclear e abusos sexuais a duelo com brasileiros, americana é candidata a estrela das Paraolimpíadas

UOL Esporte

28/08/2012 06h00

Quem vê o sorriso fácil não imagina o que essa garota já passou. Oksana Masters tem 23 anos, é campeã mundial de remo, já pousou nua em uma das maiores revistas americanas e é candidata a estrela das Paraolimpíadas de Londres, que começam nesta quarta e terminam em 9 de setembro. Vida tranquila? Não para ela, que sofreu com os efeitos da radiação, foi vítima de abusos sexuais na infância e até hoje convive com cirurgias. "É a minha vida", diz a atleta, protagonista de uma daquelas belas histórias de superação.

Oksana nasceu em Khmelnytskyi, em 1989. Especulava-se que sua mãe havia sido contaminada no acidente de Chernobyl, o maior desastre nuclear da história, em 1986. Mas a própria atleta desmente a hipótese e aponta um vazamento em uma usina nuclear sua cidade natal como a razão de sua má formação. "Havia uma série de vazamentos, e sempre tinha um policial dizendo 'saiam e voltem daqui a dois dias"', disse, em entrevista nesta semana ao "Courier-Journal", de Louisville, no Kentucky, onde mora.

Crédito: ESPN/2012 Body Issue

Como resultado da radiação, Oksana nasceu sem as tíbias nas pernas e com duas fíbulas na perna direita. A rótula da perna esquerda estava voltada para dentro. Os dedos das mãos e dos pés estava grudados, e ambas as mãos tinham cinco dedos, mas sem os polegares. Foi colocada para doação em um orfanato no dia em que nasceu, em 19 de junho. "Todas as noites eu ficava perguntando 'quando a minha mãe chega?"', disse. Aos 5 anos, foi transferida para um internato. Ali, sofreu agressões – físicas e psicológicas – e abusos sexuais. "'Sua mãe não quer uma criança má, ela não vai vir te buscar', diziam para mim."

A mudança na vida da garotinha começou em 1995, quando Gay Masters, uma professora americana, ficou sabendo da existência de Oksana graças a um amigo que tinha adotado uma criança na Ucrânia. O "sonho americano" da futura atleta começou, de fato, 19 meses depois, quando a adoção foi concretizada. "Eu me sentia a Cinderela chegando ao castelo", disse Oksana. Na Ucrânia, ela tinha direito apenas uma refeição por dia, geralmente, sopa. "O supermercado me deixava maluca. Tantas opções, tantas coisas para escolher."

Mas o tal "sonho" não veio sem dor: Oksana teve a perna esquerda amputada pouco depois; aos 13 anos, foi a vez da perna direita. "As pessoas não entendiam o motivo das operações. De dia, ela era ativa, brincava, se divertia, mas chegava em casa e sentia dores insuportáveis", disse a mãe. Além das pernas, foram oito cirurgias nas mãos. Em meio a isso, quando tinha 12 anos, Oksana conheceu o remo. "Eu me apaixonei na primeira vez que entrei na água."

Os treinos foram ficando sérios e, em maio, veio a primeira etapa da Copa do Mundo, em Belgrado, na Sérvia. Ao lado de seu parceiro Robert Jones, ela superou os brasileiros Josiane Lima e Isaac Ribeiro e conquistou o ouro no skiff duplo misto TA. O resultado garantiu a presença de americanos e brasileiros nos Jogos de Londres.

A fama mundial surgiu em julho, após posar nua a edição 2012 da "ESPN Body Issue", revista veiculada anualmente com o lema de "explorar e celebrar a forma atlética" dos esportistas. Para isso, é comum ver atletas nus, como Oksana, ou, no máximo, em trajes mínimos. "Hoje, estou mais confortável com quem eu sou. Palavras não podem descrever como foi essa experiência. Sempre fui muito focada nas minhas pernas. Depois das fotos, aprendi muito sobre mim mesma e fiquei feliz por ter tido a coragem de fazer isso", afirmou, à página especial do "Team USA", pouco apósensaio.

Em Londres, os objetivos são "simples": a medalha de ouro com recorde mundial, em novo duelo com os brasileiros. Depois, ela sabe que vai continuar os estudos (enfermagem, fotojornalismo e design próteses são as áreas de maior interesse). Esportivamente, são alguns sonhos, como atravessar o Atlântico remando, sozinha. Para os Jogos do Rio-2016, a ideia é competir no atletismo, mas, para isso, são necessárias novas próteses e novos treinos. "Não me vejo como uma inspiração. Na Ucrânia, eu não sabia que as coisas eram erradas, eu achava tudo normal. Por isso, nada para mim é superação. É a minha vida."

LEIA MAIS NO BLOG DA REDAÇÃO
Mais gatas. Veja a série completa de Musas do Esporte.

Sobre o blog

A equipe de jornalistas do UOL Esporte seleciona para você os fatos mais curiosos, os vídeos mais divertidos e tudo que viralizou nas redes sociais.