Topo
Blog da Redação

Blog da Redação

Foto Histórica: Há 18 anos, PSG eliminava Barcelona na Champions com gol de Raí

UOL Esporte

2002-04-20T13:06:00

02/04/2013 06h00

Crédito da imagem: AFP PHOTO/JEAN-LOUP GAUTREAU

Nesta terça, Paris Saint-Germain, da França, e Barcelona, da Espanha, começam a definir uma vaga nas semifinais da Liga dos Campeões da Europa. As duas equipes se enfrentaram apenas três vezes em jogos oficiais na história, mas, curiosamente, já duelaram também pelas quartas de final do torneio europeu, há 18 anos.

Foi na Champions League de 1994/95. Na ocasião, o PSG foi o primeiro colocado do grupo B (com Bayern de Munique, Spartak Moscou e Dynamo de Kiev), enquanto o Barça se classificou como segundo da chave A (que ainda tinha o surpreendente líder IFK Gotemburg, além de Manchester United e Galatasaray).

(Crédito da imagem: Shaun Botterill/Getty Images)

No jogo de ida, empate por 1 a 1 no Camp Nou, com gols de Korneev para os catalães e empate do liberiano Weah para os franceses. Neste mesmo ano, o atacante (na foto à esq, brigando com Sergi) seria eleito o melhor jogador do mundo pela Fifa.

Já no duelo de volta, o brasileiro Raí, outra grande estrela daquele time do PSG, comandou a virada da equipe da casa no Parque dos Príncipes, em Paris, no dia 15 de março de 1995. Bakero abriu o placar para os espanhóis, mas o ex-são-paulino e Guérin, no segundo tempo, marcaram os gols da vitória da equipe da França.

Na Foto Histórica acima, Raí comemora após empatar o duelo, cabeceando um escanteio aos 27 minutos do segundo tempo, para festa de boa parte dos 45.574 presentes no estádio. O gol do meia pode ser visto no fim deste mesmo post.

Naquele dia, o Paris Saint-Germain do técnico Luis Fernandez jogou com Lama; Cobos, Colleter, Kombouaré e Le Guen; Bravo, Guérin e Raí; Valdo, Ginola e Weah. A camisa 10 era do brasileiro Valdo, ex-Grêmio, Cruzeiro, Santos, Atlético-MG e Botafogo, enquanto Raí usava o número 5 às costas.

Já o Barça foi a campo com Carlos Busquets; Ferrer, Sergi, Koeman e Nadal; Corteguera, Bakero e Hagi (Abelardo); Stoichkov, Eusebio e Beguiristáin (Lafuente). O treinador era Johan Cruyff, que deixou no banco de reservas seu filho, Jordi Cruyff.

Após eliminar o Barcelona e avançar às semifinais da Liga dos Campeões, o PSG acabaria caindo na fase seguinte, após perder dois jogos para o Milan (0 a 1 em casa e 2 a 1 em Milão). O time italiano seria vice da Champions, sendo derrotado pelo Ajax, da Holanda, na final. Esse mesmo Ajax ainda seria campeão do Mundial de clubes contra o Grêmio de Luiz Felipe Scolari no fim do ano.

Raí jogou pelo PSG entre 1993 e 1998, vencendo uma Recopa Europeia, um Campeonato Francês, duas Copas da França e uma Copa da Liga Francesa.

 

Sobre o blog

A equipe de jornalistas do UOL Esporte seleciona para você os fatos mais curiosos, os vídeos mais divertidos e tudo que viralizou nas redes sociais.