Blog da Redação

Calça vinho de Cuca não é nada: 11 superstições dos boleiros

UOL Esporte

17/05/2017 04h00

1. Cuca e a calça vinho


O técnico do Palmeiras é bem conhecido por suas superstições: ele não deixa o ônibus do time andar de marcha ré, por exemplo. No Brasileirão de 2016, a inseparável calça vinho fez tanto sucesso que chegou a ser catalogada pelo departamento de história do clube. E ele já correu atrás de outra. Na reestreia, o amuleto voltou a ser usado não só por ele, mas também por torcedores que quiseram homenageá-lo.

 

2. A camisa de Antônio Lopes

Neco Varella/Agência Freelancer

Cuca não foi o primeiro a usar peça de roupa como amuleto: o técnico do Vasco durante a conquista do Brasileirão de 1997 deixou de lado as cores do clube e adotou uma camisa verde de linho como uniforme nos jogos. Lopes conta que o time vinha de duas derrotas e um empate, até que ele usou a camisa. O Vasco ganhou, e ele não tirou mais.

 

3. Luxemburgo e Robério de Ogum

Fernando Santos/Folha Imagem

Impossível falar de superstição no futebol sem lembrar o conselheiro místico de Vanderlei Luxemburgo. No Palmeiras, antes do título que quebrou o jejum em 1993, o técnico foi orientado a repetir o uniforme que o time usou na última conquista, de 1976: camisas verdes, calções e meias brancas. Deu certo. No Corinthians, teve a famosa história da banheira de sal grosso do Gilmar Fubá.

 

4. Pochettino e a mulher

Getty Images

“Nas últimas semanas, ela não veio assistir nossos jogos do estádio e as coisas começaram a dar certo. Acho melhor continuar assim”, brincou o técnico do Tottenham sobre a fama de azarada da Sra. Pochettino, que passou a ver os jogos do marido pela televisão.

 

5. Carlos Bilardo

AP Photo

Cuca, Lopes, Luxemburgo e Pochettino ainda precisam de muito trabalho para alcançar o técnico argentino no quesito superstição. Na Copa de 1986, depois que o ônibus da seleção quebrou, os jogadores tiveram que ir de táxi para o jogo. E como venceram, Bilardo exigiu que a delegação fosse de táxi para todas as outras partidas. A Argentina foi campeã. Ele também é conhecido por proibir que seus atletas comam frango e tem uma obsessão por noivos: antes da vitória sobre o Brasil em 1990, fez questão de cumprimentar um casal que estava fazendo a cerimônia no hotel. Quando estava no Estudiantes, em 2003, uma brasileira lhe desejou boa sorte e o time venceu de goleada. A partir de então, ele dava um jeito de falar com a mulher antes de todos os jogos para que ela voltasse a desejar boa sorte.

 

6. As bolachas de Inzaghi

AP Photo

Sabe aquela expressão “a última bolacha do pacote”? O ex-atacante levou a outro nível. Antes de cada jogo, ele comia um pacote inteiro de bolachas recheadas, mas tinha que deixar duas no pacote. Será que ele ainda faz isso como técnico?

 

7. A ordem de Cristiano Ronaldo

Reuters

No Real Madrid, o craque gosta de ser o último a entrar em campo – o que não é possível nos jogos da seleção portuguesa, por ser o capitão. Quando anda de avião, gosta de ser o primeiro a desembarcar – de carro, é o último a descer. Também costuma mudar alguma coisa no penteado no intervalo dos jogos.

 

8. As meias de Casillas

EFE

O goleiro espanhol já abandonou o hábito de jogar com as meias do lado avesso, mas adotou a mania de tocar o travessão toda vez que seu time faz gol.

 

9. As manias de Terry

AP Photo

O zagueiro costuma ocupar o mesmo assento no ônibus, ouvir o mesmo disco e usar a mesma vaga no estacionamento do clube. Além disso, ele chegou a usar o mesmo par de caneleiras durante dez anos e foi ele quem começou uma superstição coletiva no vestiário do Chelsea: cada jogador urina sempre no mesmo mictório.

 

10. O silêncio de Rosicky

AP Photo

Quando defende a seleção da República Tcheca, o meia evita cantar o hino do país antes dos jogos, mas não é nenhuma forma de protesto. Ainda na base, ele notou que quando cantava o hino com vontade, sempre perdia.

 

11. Xixi do Goycochea

Getty Images

Uma das superstições mais nojentas do futebol nasceu na Copa de 1990: depois de eliminar o Brasil, a Argentina ganhou da Iugoslávia nos pênaltis. Antes de pegar duas cobranças decisivas, Goycochea precisou urinar em campo. Como deu certo, ele decidiu repetir a dose na semifinal contra a Itália. Pegou mais dois pênaltis, e o ritual se consagrou.

Sobre o blog

A equipe de jornalistas do UOL Esporte seleciona para você os fatos mais curiosos, os vídeos mais divertidos e tudo que viralizou nas redes sociais.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Blog de Esportes
Topo