Topo
Blog da Redação

Blog da Redação

"FIFA 19" gera mercado paralelo semelhante ao da bolsa de valores

Brunno Carvalho

12/01/2019 04h00

O "FIFA 19" tem um modo de jogo em que vale a regra da especulação: comprar na baixa e vender na alta. Com pelo menos sete milhões de jogadores tentando se dar bem, tem gente ganhando euro e real para dar consultoria a quem quer ficar rico no mercado do game.

O game possui um modo chamado Ultimate Team, em que cartas de atletas são compradas com moedas do jogo para que os usuários montem suas equipes. Os jogadores podem ser adquiridos de duas maneiras: por meio de pacotes aleatórios ou buscando diretamente no mercado de transferências, no qual os valores variam conforme o interesse nas cartas.

Leia também:

Pela escolha dos fãs, Neymar entra como 12º jogador no time do ano do FIFA
Adidas venderá camisas especiais usadas por grandes europeus no FIFA 19
Ganso sofre, mas campeões da Libertadores com Santos se destacam no FIFA

Nem sempre os jogadores comprados são para usar nos elencos. Muitas vezes, os usuários adquirem cartas baratas esperando que elas se valorizem para vendê-las e conseguirem lucro na moeda do Fifa. É nesse momento que entra os consultores.

Hugo Tiburcio é um pescador português de 28 anos com um canal no Youtube criado em 2017. Com dicas de investimentos no Fifa, ele atingiu 8 mil inscritos e decidiu usar a rede de contatos para criar um grupo pago no WhatsApp onde informa os membros sobre qual melhor negócio para se fazer no momento. Mesmo morando em Portugal, a maioria de seus assinantes são brasileiros.

"Eu iniciei meu grupo no WhatsApp para ajudar quem tem mais dificuldade na compra e venda no jogo e conseguir juntar algum dinheiro para comprar um computador", explicou Tiburcio.

Como é o seu primeiro ano com o grupo, Tiburcio decidiu que aceitaria um número máximo de 100 membros no grupo. Atualmente, ele tem 58 membros, que optam por um dos três pacotes de assinatura: 5 euros ou 10 reais por um mês no grupo, 10 euros ou 20 reais por três meses ou 20 euros ou 50 reais por 12 meses de participação.

Passado pouco mais de três desde o lançamento do Fifa 19, Tiburcio estima ter recebido cerca de 400 euros (R$ 1,7 mil) com o grupo do WhatsApp. O valor é quase metade dos 1000 euros estipulado por ele para comprar o computador. Para o Fifa 20, ele projeta ter até 200 membros em seu grupo.

A febre dos grupos de WhatsApp também atinge o Brasil. Irlando Linker tem um canal no Youtube relativamente conhecido entre os fãs de "FIFA 19". Foram justamente eles que o convenceram a criar o grupo para receberam as dicas das negociações.

"Meu canal não é tão antigo, mas teve um momento em que comecei a me aprofundar mais nas negociações, acompanhando as movimentações do mercado. Depois o pessoal foi me cobrando tanto que fui fazendo e está dando certo", explicou.

Mais de 144 pessoas participam do grupo dele, em um esquema muito semelhante ao de Tiburcio: R$ 10 para se inscrever, além de mais R$ 10 por mês para seguir recebendo as dicas.

Como funcionam os grupos

A reportagem passou uns dias dentro dos grupos do WhatsApp para entender como funcionam as dicas. Tanto Tiburcio quanto Linker colocam seus membros em dois grupos: um em que apenas eles falam e as dicas diárias são passadas e outro em que todos os membros são liberados para conversar, falar amenidades e tirar dúvidas sobre investimentos e melhores elencos para jogar o game.

Neste último, a interação é constante. São quase 24 horas de trocas de mensagem sem parar. Em determinado momento, o grupo se retroalimenta. Usuários que pagaram para receberem dicas começam a dar dicas para outros usuários.

"Às vezes tem muitas mensagens e eu acabo não tendo tempo para ler todas. Hoje quando acordei tinham 900 mensagens, então acaba ficando difícil acompanhar todas as dúvidas", explica Linker.

Hugo Tiburcio aceita pagamentos tanto em euro quanto em real. Foto: Reprodução

Em um modo de variação constante de preços de jogadores, nem todas as dicas acabam se concretizando. Nesta sexta-feira (11), o anúncio de que Virgil van Dijk, do Liverpool, havia sido nomeado o Jogador do Mês do Campeonato Inglês desesperou os membros do grupo, que esperava que o vencedor fosse Mohamed Salah e haviam feito diversos investimentos contando com isso.

A nomeação de jogador do mês foi um jeito encontrado pela EA Sports, desenvolvedora do Fifa, para jogar mais cartas no mercado de transferências e, consequentemente, baixar o preço dos jogadores. A cada mês, um desafio é lançado e os usuários podem trocar várias cartas para conseguir uma especial do atleta que foi nomeado o craque daquele período.

Com o anúncio da vitória do holandês, o grupo se dividiu entre os desesperados com seus investimentos e os mais experientes, que tentavam acalmar os companheiros e fazê-los acreditar no investimento feito. "Só tem 36 minutos que saiu o desafio e já querem se jogar da ponte", disse um.

Sobre o blog

A equipe de jornalistas do UOL Esporte seleciona para você os fatos mais curiosos, os vídeos mais divertidos e tudo que viralizou nas redes sociais.

Blog da Redação